Nova diretriz hipertensão adultos

pa_cardiovita

NOVA DIRETRIZ PARA PREVENÇÃO, DETECÇÃO, AVALIAÇÃO E GESTÃO DE HIPERTENSÃO ARTERIAL EM ADULTOS

Recentemente tivemos a liberação da nova diretriz para detecção, avaliação e gestão da hipertensão arterial em adultos. Formulada pela Escola Americana de Cardiologia e pela Associação Americana de Cardiologia.

Em resumo, as principais recomendações são:

Diagnóstico
A pressão arterial (PA) deve ser categorizada como normal (<120/80 mm Hg), elevada (120-129 / <80 mm Hg), hipertensão do estágio 1 (130-139 / 80-89 mm Hg) ou hipertensão no estágio 2 (≥140 / 90 mm Hg.

Medidas caseiras ou ambulatoriais de Pressão Arterial, ou seja,  fora do ambiente médico hospitalar são recomendadas para confirmar o diagnóstico de hipertensão e para a titulação de medicação para baixar a Pressã. Tais medidas devem ser realizadas em conjunto com aconselhamento médico por tele medicina ou consulta médica tradicional.

Iniciando terapia
Todas as intervenções não farmacológicas que são eficazes na redução da Pressão Arterial são recomendadas para pessoas com pressão arterial alta ou hipertensão. Dentre estas intervenções não farmacológicas, as mais frisadas são: otimização do hábito alimentar com maior ingesta de frutas, vegetais e sementes bem como diminuição do sódio, reposição de potássio e moderação no consumo de álcool. Atividade física regular, controle do stress psicossocial e diminuição do peso corporal também têm impacto benéfico comprovado no controle dos níveis pressóricos.

Recomenda-se medicação de redução da pressão arterial para pacientes com Doença cardiovascular  clínica ou um risco estimado de 10 anos de doença cardiovascular de 10% ou mais que tenham uma PA sistólica (PAS) de 130 mm Hg ou superior ou uma PA diastólica (PAD) de 80 mm Hg ou superior

Para pacientes sem história de doença cardiovascular e risco de doença cardiovascular nferior a 10%, recomenda-se medicação para redução de PA para pacientes com PAS de 140 mm Hg ou superior ou PAD de 90 mm Hg ou superior

Gestão
Em pacientes com  doença cardiovascular ou risco de doença cardiovascular de 10% ou mais, recomenda-se uma meta de PA de menos de 130/80 mm  Um alvo de pressão arteriale menor  de 130/80 mm Hg também pode ser razoável em pacientes de baixo risco

Em pacientes que justificam a farmacoterapia, os diuréticos tiazídicos, os bloqueadores dos canais de cálcio (CCBs) e os inibidores da enzima conversora da angiotensina (ACE) ou os bloqueadores dos receptores da angiotensina II (ARB) são recomendados como agentes de primeira

Os pacientes com hipertensão no estágio 2 e uma PA média superior a 20/10 mm Hg acima da meta de PA devem começar a terapia com 2 agentes de primeira linha de diferentes clases

Problema Clínico
A hipertensão é um importante fator de risco para mortalidade e morbidade. As estimativas recentes são que 874 milhões de adultos em todo o mundo têm uma PAS de 140 mm Hg ou superior. Associada à doença cardiovascular,  acidente vascular cerebral (AVC), insuficiência cardíaca e doença renal crônica (DRC), a hipertensão é o segundo fator de risco, perdendo apenas para o tabagismo, como causa evitável de morte nos Estados Unidos.

Dadas as tendências demográficas e a crescente prevalência de hipertensão com o aumento da idade (79% dos homens e 85% das mulheres com 75 anos de idade apresentam hipertensão), as consequências da hipertensão arterial são esperadas  aumentar.

A PA alvo adequada para pacientes de alto risco com hipertensão tem sido objeto de muitos grandes ensaios na última década. Este foi o foco de outra revisão sistemática encomendada para esta diretriz. Em uma análise limitada a ensaios que compararam um alvo de PAS de menos de 130 mm Hg com qualquer alvo maior, os pacientes se beneficiaram em termos de eventos cardiovasculares maiores e acidente vascular, mas não infarto do miocárdio ou mortalidade por todas as causas .. Existem poucos dados sobre pacientes de baixo risco porque os ensaios que avaliam o controle intensivo da Pressão Arterial geralmente  matriculam pacientes de alto risco com condições como diabetes ou Doença Renal Crônica.

Benefícios e prejuízos
Do ponto de vista da saúde pública, considerando o alto risco de doença cardiovascular associada à hipertensão, os benefícios potenciais do controle mais rigoroso da hipertensão são substanciais. Os danos potenciais associados à adoção desta diretriz são os efeitos adversos dos medicamentos e da PA rigorosamente controlada e os custos do uso excessivo de medicação e monitores da PA domiciliar  .. A tomada de decisão compartilhada entre pacientes e seus clínicos é necessária para chegar a um ótimo plano de tratamento para cada paciente.

Há pouca evidência de alta qualidade na literatura sobre algumas populações de pacientes, principalmente os idosos frágeis. Porém há forte apoio às abordagens médicas eletrônicas baseadas em equipe e a saúde da população para o controle da PA.

REFERÊNCIA: REVISTA CIENTÍFICA JAMA
December 5, 2017.

Compartilhe:
AGENDAR